quarta-feira, outubro 26, 2016

Das lições da vida marota



Se tem uma coisa que deixa a gente meio pra baixo é coisa relacionada ao trânsito,  né?
Não sei explicar, mas é algo que afeta diretamente nosso humor. Desde uma batida - que já estraga um dia inteiro ou até dias, dependendo do tamanho do prejuízo - até um xingamento corriqueiro em um cruzamento da vida.
É difícil abstrair...A gente tenta pensar em outras coisas, mas volta e meia tá com aquilo na cabeça.
Já fazia tempo que eu não passava por nenhum aborrecimento no trânsito, mas hoje quebrei o jejum e tô pensativa até agora.
O que aconteceu foi o seguinte: vinha eu em um rua de bairro, ligeiramente tranquila, porém, em determinado trecho, havia dois carros estacionados nos lados da pista, deixando um apenas um corredor pra passagem (lembrando que a rua tinha duplo sentido). Dava pra passar tranquilo, mas eu devo ter me distraído com alguma coisa e acabei jogando o carro mais pro lado esquerdo e encostei meu retrovisor em algum desses carros. Como ele vira com facilidade, eu só tomei um susto, mas segui. Erro meu: deveria ter dado mais atenção a isso. Ter parado e visto se não tinha acontecido nada, mas pelo barulho leve, achei que só que tinha encostado no outro retrovisor e, pelo pouco espaço, ele dobrou o meu.
Porém, entretanto, todavia, não foi somente isso que aconteceu. A parte ruim é que fui descobrir de uma forma meio escrota.
Saí da rua tranquila, contando que tinha sido um leve toque, sem prejuízo pra ninguém. Vem um cara de moto e me fecha. Assusto.
- Senhor, eu bati em você? (foi logo o que me ocorreu)
- Você quebrou o retrovisor da minha amiga!
- Nossa, eu não vi. Vou voltar lá!
Enquanto eu manobrava pra voltar, o cara ficou ali na moto, meio que me vigiando pra eu não fugir, até que baixei o vidro e disse:
- Não precisa me escoltar, que não sou bandida não! Eu vou voltar.
Chegando lá percebi que realmente tinha sido mais sério do que eu imaginava. Desencaixou uma parte do retrovisor do carro. Tava até no chão. Apanhei e encaixei novamente.
O rapaz, mais do que depressa, chama no interfone a dona do carro em tom de urgência.
Ela vem acompanhada do esposo, explico o que aconteceu. Ela verifica o retrovisor. Não houve dano.
De toda forma, me coloco à disposição para qualquer avaliação que ela queira fazer e deixo meus contatos.
De toda essa história tiro as seguintes lições:
  Puta merda, tenho que ter mais atenção no trânsito!;
  Sempre parar e avaliar a situação e nunca achar que "não foi nada";
3ª Ser mulher e andar sozinha é foda! Deixa a gente vulnerável pra qualquer ignorante achar que pode abordar a gente dessa forma intimidadora. Se eu estivesse acompanhar ou o marido tivesse feito isso, duvido que teria me/nos parado da mesma forma.
No fim do dia a gente fica ali remoendo a situação e imaginado o que poderia ter falado (típico).
Fica a lição! Essa eu não passo mais!

terça-feira, agosto 23, 2016

Humaniza mais que tá pouco



Não é de hoje que tenho batido nessa tecla aqui e nem me orgulho de tal constatação, mas vamos combinar  DE NOVO que o que falta nesse mundo é só uma coisa: “colocar-se no lugar do outro”.
Falta humanidade.
E se tem uma que eu não consigo lidar direito até hoje é ser maltratada, sabe? Não aceito bem. É uma coisa minha mesmo, que preciso superar.
Acontece que nessa caminhada chamada vida, volta e meia a gente cruza com gente que não faz questão nenhuma de ser gentil. Gente que presta serviço, que lida com gente o tempo inteiro e que precisaria ter, no mínimo, um pouco de empatia pelo outro. Mas não tem.
Nos quase quinze dias nesse mundo de mãe, além de todos os sintomas típicos do puerpério, pude experimentar aquela sensação de impotência quando você não é tratado da forma que espera, mas fica sem ação quando sua cria está envolvida.
Precisei levar a filha a um posto de saúde para passar uma medicação que a pediatra havia receitado. Como era um composto delicado, ela sugeriu que fosse uma enfermeira que medicasse. E assim o fiz.
A profissional que nos atendeu deu aquela olhada básica na neném e começou a fazer perguntas comuns do período...Tipo de parto, de amamentação e passou a me orientar sobre algumas coisas, mas de forma tão indócil que eu achei que havia cometido um crime. Aquela abordagem dura, sem trato, com ar repreensivo, como se eu fosse uma mãe ruim e desleixada e não como se fosse alguém que estivesse chegando agora nesse trem e precisasse de um pouco de compreensão e ajuda.
Eu já havia experimentado esse tipo de tratamento há algumas semanas na maternidade estadual, mas quando é com você a coisa parece mais ser fácil de lidar. Basta aumentar o tom de voz e se igualar ao interlocutor que rapidinho as coisas se resolvem.
Não considero isso um problema exclusivo do sistema público de saúde (apesar da má imagem preceder) mas do setor público de uma forma geral. No campo privado ele até existe, porque a  mão e obra é a mesma. A diferença é que esse tipo de comportamento parece não se sustentar muito tempo por lá, já que há concorrência, treinamento e avaliações constantes.
Na ala pública a coisa fica por ela mesma. Você pode até tentar fazer um “auê”, reclamar, mas, no fim, tudo permanece como está. É uma espécie de vício de um lado e conformismo coletivo do outro. E assim a coisa vai se arrastando ano a ano.
O governo federal até reconheceu que existe um problema e mantém desde 2003 um projeto chamado “Humaniza SUS”. O que eu tenho a dizer sobre isso, após  13 anos de execução? HUMANIZA MAIS QUE  TÁ POUCO!


segunda-feira, agosto 01, 2016

aos nove



Minha intenção não é  fazer desse blog um querido diário da minha gestação, mas é impossível não relatar as aventuras do fim dessa jornada.
Já estou naquela fatídica fase de andar como uma pata e, sim, minha barriga me precede. É algo muito engraçado de observar.
As pessoas não conseguem disfarçar o espanto e a sensação que eu tenho é que estou gerando um alien e que ando assustando as pessoas por aí.
E, claro, elas não se contentam apenas em olhar. Elas falam também.
Semana passada fui ao supermercado. Quando cheguei ao caixa preferencial a moça perguntou com quantos meses eu estava, que vinha me observando desde a hora que entrei. Disse que já estava com 9, mas nem isso resolveu.
- E tua barriga é assim mesmo?
-Olha, foi o que deu pra arranjar (mentira, não falei isso)
O que eu disse foi:
-É...
- Então tu já tá pra ganhar, né?
- É...

Ela deve ter achado que eu ia parir ali mesmo, enquanto ela passava as verduras...

sábado, julho 30, 2016

À espera de



Eu espero um ônibus de domingo, aquele mais demorado. Espero sem muita paciência, mas é o que me cabe. Nesse ponto, há outras pessoas comigo - também ansiosas - mas sou a única que não posso faltar  ao compromisso.
Eu preciso estar lá para que ele aconteça.
É claro que a viagem poderia ser mais rápida. Poderia ser de avião, com dia e hora marcados, mas eu resolvi esperar. Não porque a viagem de ônibus é mais prazerosa. Pelo contrário. É aquela viagem lenta, e, pelo que dizem, você encontra buracos na estrada de 10 em 10 minutos, e tem que fazer força pra passar deles e chegar até o destino.
Nesse aguardar, só consigo lembrar do quanto esperar é uma arte. Requer concentração, respiração. E, nesse momento, ando mais interessada em começar a viagem a me preocupar com o que vou encontrar quando chegar lá.
Aliás, eu nunca estive lá. Já ouvi muito falar, porque todos adoram compartilhar suas experiências do lugar, mas meu foco agora é o "chegar". O "lá" eu me arranjo "lá" estiver.
#VemMarina

quinta-feira, junho 23, 2016

Jout Jout, Prazer

Fui apresentada à Jout Jout há alguns meses, por intermédio de uma colega jornalista.
Assisti a vários vídeos seguidos e em pouco tempo estava totalmente atualizada.
Não sou muito de seguir essas celebridades das redes (até porque, nem idade pra isso eu tenho), mas da Jout Jout eu gosto.
Ela é solta, autêntica, de Niterói, é jornalista, tem um ótimo senso de humor, namora o Caio, sabe fazer funk e escreveu um livro.
Aliás, ela não só escreveu um livro, como veio lança-lo aqui no Acre.
E eu fui. E tirei foto com ela. E dei um livrinho Entre Olhares pra ela.
Pra quem não conhece a figura, deixo aqui o link do canal dela no Youtube: