sexta-feira, abril 15, 2011

Bullying


Já pratiquei e fui vítima de bullying em uma época em que isso nem nome tinha. Aliás, a primeira vez que eu ouvir falar nessa expressão foi em 2009, quando viajei pra João Pessoa e conheci uma jornalista lá que me contou a história de como foi fazer uma matéria sobre assunto.

Agora parece que o negócio pegou e em tempos de loucos invadindo escolas e matando crianças, todo cuidado é pouco.

Revendo minha vida escolar, lembrei de umas...

Quando eu tava na quarta série, na hora de um recreio qualquer, nós (eu e uma turma de crianças desocupadas) decidimos que iríamos irritar o Benedito – um garoto da terceira série. Como o Benedito era gordinho, começamos a chamá-lo de baleia e a correr pelo pátio. Numa dessas corridas eu perdi meu fôlego e tava recuperando o ar, encostada na coluna.  Foi nessa hora que o Benedito me pegou desprevenida, veio correndo e me deu um soco no estômago. Se eu ainda sou magra hoje, vocês imaginem aos 9 anos. E imaginem o que isso me rendeu.

De amarela eu fiquei roxa, azul e todas as cores de uma pessoa sem ar. Não consegui respirar e tive que ir pra enfermaria nos braços da Dona Elvira.  Claro que aprendi. Nunca mais chamei nenhum Benedito de baleia.

O mais irônico é que vez ou outra eu ainda o encontro por aí. Mas aposto que só eu me lembro dessa história. E acho até que isso não gerou grandes problemas. Ele me parece um rapaz tranqüilo e maduro, que não anda mais esmurrando garotas ‘pafrentes’ e sem intenção de se vingar. Assim espero.

Um ano depois veio o troco. Na quinta série, quando as pessoas pouco confundiam meu nome e até faziam trocadilhos com ele, os meninos da minha sala resolveram me aborrecer me chamando de Natesta. Mais que isso. Eles decidiram passar um recreio inteiro correndo ao meu redor, me chamando de Natesta e dando um tapa na testa - que nem é assim tão grande. Quando a testinha ficou vermelha e minha paciência foi embora, levei todo mundo pra diretoria e os meninos passaram um tempão sem falar comigo.

Acho que isso também foi superado na época de escola. Hoje em dia a maior parte do meu tempo é dedicado a esclarecer como escrever meu nome corretamente e não pretendo matar ninguém por isso.

2 comentários:

Fala, Mãe! disse...

Olá Natércia: Primeiro, tenho que te contar: sabe que meu nome era pra ser natercia? meu pai ama esse nome até hoje, é o anagrama da amada de camões, minha mãe que assistiu um filme e quis colocar cynthi de última hora, aí como meu pai repetia esse história sempre, minhas bonecas todas chamavam Natércia. Muito prazer, querida!
Pois é, isso que eu quis dizer, antigamente as pessoas superavam bullying ou seja lá o que chamava, o problema hoje é que as pessoas querem enquadrar qualquer tiração de sarro comum de criança como bulling, é claro que quando envolve violência física o negócio é outro, mas tem um certo sensacionalismo da tv querendo polemizar né? De certo acham lindo o que acontece nos EUA lá sim, isso é muito mais frequente, essa segregação dos "loosers".
beijo querida e boa semana pra vc!

Carol Nunes disse...

kkkkkkkkkkkkk, adorei... Natesta...kkkkkkkk!!!! Tadinhaaaaa, mamãe!