quinta-feira, novembro 15, 2007

das uvas (ou quase isso)


Eu comia isso.
Comia mermu, não vou mentir.
Não morri nem engordei.
Essa semana, vindo do trabalho, achei essas ' uvinhas' plantadas no canto do muro de um terreno abandonado.
Quando eu era criança, lembro que elas eram as representantes legais das uvas na minha casinha.
Pode não parecer, mas brincar de casinha exige uma certa logística que crianças desses tempos modernos não entenderiam. Apesar de ser uma tentativa descarada de transformar meninas inocentes em Amélias, era bem mais prazeroso e mais interessante que qualquer The Sims da vida (virtual).
Todas as comidinhas, digo, alimentos, eram inspirados em alimentos reais e havia uma plantinha para cada mantimento. As mamães iam ao mercado (quintal, rua, terreno baldio), faziam suas compras (arrancavam as pobres plantas sossegadas) e voltavam pra fazer a sopa das suas filhinhas (uma boneca chamada Larissa). Depois era só cortar tudo com faca de plástico não cortante, despejar em uma panelinha do tamanho de uma tampa de remédio e cozinhar em fogo brando (mentira).
Quando estivesse pronto, fingia-se alimentar a filha (que tinha boca, mas não era aberta, senão enfiaríamos sopa 'goela' abaixo) e no final tinha a sobremesa: uvinhas!
Acho que minha nunca soube que eu comia, mas toda vez eu lembrava da cena do filme "Lagoa Azul" em que o filho deles comia aquelas frutinhas vermelhas proibidas e eles pensavam que ele ia morrer. Mesmo assim eu comia. E era bom.
A impressão que dá é que tudo desaparece quando a gente cresce (ou adquire idade, como queiram). Os lugares já não são os mesmos, as pessoas morrem e as plantas desaparecem. Parece que tudo conspira contra as suas lembranças e é preciso ter uma boa memória fotográfica para guardar tudo que viveu...

Plantarei uvinhas no meu quintal!

4 comentários:

Fabiana disse...

Ei, isso foi lindo!
Meu melhor natal foi quando meu pai me deu um joguinho de cozinha com fogãozinho e tudo... Mas isso não me faz ter vontade de cozinhar hoje em dia. :-)

Veriana Ribeiro disse...

Adorei o texto. E sim, era desta forma que eu brincava de casinha... Sair pela feira/quintal procrando comida era a parte mais legal!

beijos, adorei o texto

jeronymo artur disse...

adorei conversar, mesmo que pouco, com você ontem.
gostaria de ter ficado mais, e deveria ter ficado mais.

fica pra próxima !
que eu espero que seja breve! o/

Pensamentos Soltos disse...

Que descrição de infância perfeita...
Uma pena não ter "uvinhas" aqui no sul.