quarta-feira, novembro 05, 2008

Vamos brincar de índio, mas sem mocinho

Ontem Fabi e eu fomos ao espetáculo Somos Todos Brasileiros, no ginásio do Sesi. O evento foi idealizado e apresentado pelo ator Marcos Frota( sim, ele ainda anda por estas plagas), em comemoração aos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

A programação contou a participação com artistas da Universidade do Livre do Circo, além de alunos de instituições locais, como APAE, Colégio Dom Bosco e um show de encerramento com a banda Paralamas do Sucesso.

O evento era destinado a um público específico (que não me incluía) , mas a Fada dos Ingressos de Shows Exclusivos deixou três deles embaixo do meu colchão e eu fui, né?

Marcos Frota esbanjava a simpatia peculiar de quem já achou o Acre uma bosta, mas se conscientizou de que precisava dar uma de bom moço para garantir a grana que lhe foi oferecida. O homem já chorou em palestra, pediu desculpa pra Deus e o mundo e apelou até pra pajelança da tribo Yawanawá. Soube que ele andou nesses últimos eventos indígenas e agora é o melhor amigo da tribo. Ganhou até um cocar da liderança indígena.

A intenção, organização, as participações e o show foram bonitos de se ver. Paralamas fizeram um show de verdade, só com as melhores do extenso repertório e eu acabei vendo a apresentação dos artistas do Marcos Frota Circo Show sem desembolsar 30 pilas.

Duro foi ver o público aplaudindo a belíssima apresentação da tribo Yawanawá como se fosse a pura manifestação de admiração, quando todo mundo sabe que acreano não tem apreço à raça indígena. Convivemos com 14 tribos em um mesmo pedaço de terra, mas o povo não consegue aceitar isso. Basta fazer uma rápida enquete de rua pra perceber que o acreano (o povo mesmo, aquele que anda no centro) não admite ser comparado aos índios. Mas na hora de ver um show de graça, tudo é lindo e somos todos brasileiros. Quanta hipocrisia...

Outra de matar foi ver Marcos Frota pagando pau pro Acre. Era a personificação da típica frase “O que a gente não faz por dinheiro...”.

8 comentários:

Adaildo Neto disse...

mandou muito bem.

Foi o meu expectorante eloquente de tudo que anda engasgado aqui.

patty disse...

Amiga eu tbm estava lá, pena que não nos vimos pra discutirmos juntas sobre a hipocrisia que tomou conta do espaço, minha nossa na hora que o Marcos Frota beijou os pés do Pajé e ainda disse que qualquer um de nós gostaria de estar ali fazendo o mesmo, pasmem me deu vontade de subir ao palco e espancá-lo como aqueles aluscinados enfurecidos que fazem isso, kkkkkkkkkkk, cara esse homem não vai embora do Acre não heim? só falta a gora ele receber o título de cidadão acreano, ai seria o cúmulo do absurdo. Mas tirando toda essa pajelança e bajulação o show do paralamas foi um espetáculoa parte, é verdade que o hebert viana entrou assim, digamos que desanimado mais depois tocou os hits mais antigos ai levoua galera ao delirio, ihuuuuuuuuuu.

Bjão

Anônimo disse...

Até parece que vocês são diferente...ahahahahaha

Nattércia Damasceno disse...

O anonimato é sempre tão sensível...

Samuel Bryan disse...

e pensar q eu tava bocejando tanto durante as apresentações indigenas e circense (ok, so na primeira metade da circense) q meu acompanhante com certeza tava com vergonha de mim.

mas la tinha um homem de mais de 90 anos com uma pele linda e se tem uma coisa que eu repeito é gente q chega aos 90 anos enxuto daquele jeito
hahaha

=*

Samuel Bryan disse...

ps: lembro q quando ele beijou os pés do pajé eu disse em tom mais alto do que devia: "menos, marcos frota, menos. vc ainda é persona non grata por aqui"
uma muié do meu lado me olhou com olhos mortais
hahaha

Jéssinha disse...

Eu ainda tentei puxar um coro de: "Seu Bosta! Seu Bosta!"
Mas nosso coro de duas pessoas não deu muito certo. =/

O Frotinha jurava que a gente tava lá por ele. Se não fosse Herbert e os Paralamas, queria ver quem compareceria ao espetaculozinho do palhaço. Rum!

Regis disse...

Marcos Frota nunca me enganou, nem quando era o "Dalua". Só a cara de bom moço...