quarta-feira, março 24, 2010

Pilhas, pra que te quero...

Enquanto não caso com um magnata da indústria de pilhas, que banque meu consumo pelo resto da vida, resolverei meu problema com as usadas desta forma:

Difusora faz campanha para recolhimento de pilhas e baterias

Escrito por Golby Pullig
22-Mar-2010


Programa Espaço do Povo, de Nilda Dantas, troca material por cupons para sorteio de brindes


Nilda Dantas faz campanha de recolhimento de pilhas e baterias trocando o produto por cupom que dá direito a prêmios (Foto: Luciano Pontes/Secom) O consumo de pilhas na casa de dona Francisca Carvalho, moradora do Km 9 da AC-40, é de três unidades ao mês, quantidade suficiente para manter em funcionamento, durante quase o dia inteiro, o único rádio da família. Ouvindo o programa Espaço do Povo apresentado por Nilda Dantas nas manhãs da rádio Difusora, ela descobriu que poderia trocar as pilhas usadas por cupons para concorrer a prêmios e ao mesmo tempo parar de jogar este resíduo altamente tóxico no quintal de casa. É a promoção Diga não à contaminação lançada no dia 8 de março e que termina em 7 de maio com o sorteio de diversos brindes aos ouvintes que trocarem 5 pilhas ou baterias por um cupom.
Acostumada a realizar promoções de educação ambiental Nilda Dantas conta que, ao visitar colônias da região, observou um número grande de pilhas jogadas perto da vegetação. "Um dia esperando na fila de um banco notei que havia um sistema de coleta de pilhas e decidi expandir essa ação para que não ficasse restrita a apenas algumas pessoas", explica a locutora que recebeu apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia) e de pequenas empresas da capital com a doação de brindes que vão de CD, utensílios domésticos, confecções e até o banho, tosa e imunização para animal.

O secretário de Meio Ambiente do município, Arthur Leite, diz que ainda não há estatística sobre o volume de consumo ou descarte de pilhas e baterias na capital. O órgão faz um levantamento preliminar junto à Secretaria de Fazenda do Estado para acompanhar a entrada desse produto na intenção de fazer um cruzamento com o que é recolhido. Arthur Leite lembra que é dos fabricantes a responsabilidade sobre a coleta das pilhas e baterias usadas.

Em Rio Branco há atualmente quatro pontos de coleta de pilhas e baterias: um no Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac), em duas unidades dos Supermercados Araújo e agora, um na rádio Difusora. Os recipientes indicados para acondicionar o material são tambores azuis com tampas. Depois de cheios e lacrados, um protocolo é feito e o produto é encaminhado para uma associação de revendedores de pilha localizada no sudeste do país.


* Não é possível que com esse tantão de pilha eu não consiga ganhar pelo menos um banho pro Rick, né?