quarta-feira, outubro 17, 2007

do medo

Ando com medo... (nos dois sentidos)
Não apontaram uma arma pra minha cabeça, não me ameaçaram, não roubaram minha bolsa, mas eu ando com medo.
Depois que você passa por uma dessas, a sensação de impotência é tão grande que você se sente alvo o tempo todo.
Só levaram o rosinha, mas parece que ele (o filho da puta de dois posts atrás) vai voltar pra levar o resto das coisas.
Aí eu ando que nem doida, sem dinheiro, sem cartão, sem bolsa grande e rápido. Sempre rápido.
Às vezes o medo é até bom, porque ajuda a previnir, mas essa insegurança acaba interferindo no cotidiano e daqui uns dias eu perco a coragem de voltar pra casa a pé.
E olha que eu tô falando de Rio Branco...

2 comentários:

Helder Júnior disse...

Eu morro de medo que alguém me aborde na rua e enfie um exemplar do Jornal do Senado no meu ouvido. Vivo um pesadelo.

Nayanne Santana disse...

Ent�o, vou deixar outro coment�rio por aqui...

Na �ltima semana a casa de pessoas que amo muito foi assaltada.
Uma m�e de fam�lia, que trabalha muito pra ter uma vida digna foi espancada de maneira cruel.

Um dos assaltantes pisou, isso mesmo, pisou no rosto dela de cuturno. Imagine o terror, isso na frente da fam�lia dela, que diante da mira de rev�lveres n�o puderam fazer absolutamente NADA.

J� � a segunda vez que s�o assaltados, da 1�vez mudaram-se e agora, v�o precisar trocar de endere�o outra vez.

Outras duas amigas foram assaltadas, uma na Rua dos Engenheiros e outra em frente ao Vencedor, o hor�rio dos assaltos foi o mesmo, por volta das 19:00 horas.

Infelizmente devo admitir, Rio Branco est� tomada pelos bandidos. E o nosso secret�rio Monteiro, (que toda vez que preciso marcar pauta com ele esta sempre em
reuni�o, discutindo sabe-se l� o qu�n�o faz nada.

Tamb�m sinto a mesma impot�ncia que voc� e n�o quero v� meu Estado voltar a ter outro Esquadr�o da Morte como ocorreu a uns 10 anos. S� falta isso para retrocedermos.

Desculpe a exten�o da minha indigna�o, mas acho que precisava desabafa-la.